.

Fruki aposta na qualificação dos profissionais para crescer

Na década de 1980, com a morte de sua esposa e com três filhos para criar, o diretor presidente da Fruki S/A Nelson Eggers estava apreensivo em relação ao futuro. Assim, resolveu participar de um curso no Palácio do Comércio com o professor João Bosco Lodi sobre sucessão na empresa familiar. Naquele momento, entendeu como deveria preparar seus filhos para trabalharem na Fruki.

Em palestra na reunião-almoço Menu Porto Alegre, promovido pela Associação Comercial de Porto Alegre, nesta terça-feira, 8/5, Eggers disse que este aprendizado foi fundamental para enfrentar as mudanças tecnológicas radicais que vieram nos anos 2000.  “Meus filhos, hoje seis, com mais três do segundo casamento, estudaram em até quatro países e com conhecimento enfrentaram os movimentos cada vez mais rápidos do mercado.” Eggers é da terceira geração da família Kirst, fundadora da Fruki.

A qualificação dos profissionais que trabalham na Fruki – denominação que Eggers prefere ao de colaboradores – também é incentivada pela empresa. “Participamos durante quase uma década do Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade (PGQP) e temos vários funcionários com curso superior.”

Com a crise econômica dos últimos anos, Eggers resolveu cuidar da gestão. No início de 2017, com ajuda dos professores da UFRGS, implantou a Gestão Matricial de Gastos. A empresa foi dividida em 28 pacotes, tendo um responsável por cada grupo. “Já economizamos alguns milhões de reais nesse período”, revelou.   

Em 2018, a empresa volta às origens, quando em 1924, na cidade de Arroio do Meio, o fundador Emilio Kirst engarrafava refrigerantes e cervejas. Depois de sair da linha de produção por décadas, a Fruki irá engarrafar cinco tipos diferentes de cervejas. O lançamento será durante a Expoagas, que acontece de 21 a 23 de agosto no Centro de Eventos da Fiergs.    

Eggers explicou que a empresa possui um cadastro de 30 mil clientes, que possibilita adicionar novos produtos em seus caminhões e ainda proporcionar uma entrega mais completa nos pontos de venda.

Uma das cervejas será Pilsen, mais popular, mas no nível de uma Heineken. Também irá produzir IPA, weissbier, entre outros tipos.  Ele ressalva que não usará milho para fazer o malte, pois afeta a qualidade. Por isso, está negociando com uma grande cooperativa no Paraná, que irá fornecer a cevada já transformada em malte.

Em uma área de 87 hectares, a Fruki está construindo uma nova fábrica para a produção das cervejas em Paverama, 30 km de Lajeado, que deverá ser inaugurada em 2020.   

Hoje, a Fruki enfrenta os gigantes do setor com uma distribuição extremamente eficiente. Ela conta com centros de distribuição localizados em Osório, Porto Alegre, Pelotas Santo Ângelo e Canoas. Em Lajeado, engarrafa a água mineral Água da Pedra e refrigerantes da marca Fruki e Frukito.