.

Associação Comercial de Porto Alegre considera justo movimento dos caminhoneiros

A Associação Comercial de Porto Alegre considera justa a reação dos caminhoneiros, que paralisaram suas atividades devido ao alto custo do Diesel, sem contar a falta de infraestrutura nas estradas. Os empresários em geral não suportam mais tantos impostos diretos e indiretos, sem o respectivo retorno. Não podemos ficar aplaudindo a ineficiência do governo federal, que continua gastando mais do que arrecada.

Segundo os dados do Tesouro Nacional, nos últimos 10 anos a dívida pública mais que dobrou: em 2007, o estoque da dívida estava em R$ 1,3 trilhão e atualmente passa dos R$ 3,6 trilhões. Se continuar assim, o País irá quebrar, sem antes inviabilizar a economia e seus agentes, que ainda estão pagando os impostos.

Não apoiamos o vandalismo e a restrição ao direito de ir e vir, mas o governo federal precisa se sensibilizar com a situação de extrema dificuldade de empresários, autônomos e população em geral, com três anos de recessão contínua. Enquanto isso, a média Brasil da carga tributária dos impostos nos combustíveis chega próxima da metade dos preços, afetando todos os setores da economia. No Rio Grande do Sul é cobrado 30% de ICMS no preço da gasolina e etanol. O povo brasileiro está cansado de pagar impostos que são desviados para a corrupção, quando deveriam retornar em forma de serviços de qualidade.